quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Mais um das profundezas...

Nem todos jogaram fora ou destruiram originais, alguns recuperados já vem sendo postados aqui, este é só mais um:


Roda, roda, rodou


Dentre nuvens escuras
céu escuro e faíscas elétricas
desponta uma réstia de luz
e o azul mansamente
brilhante
vem substituir o cinza
uma mágica lenta e hipnótica
desencadeada pelo seu sorriso
prateado!

3 comentários:

  1. Dizes muito através de poucas palavras numa verdadeira sinestesia literária...parabéns pelo poema...as vezes meu céu está como este do seu poema.

    ResponderExcluir